" É feliz quem a Deus se entrega e orienta seus passos no Senhor! " (sal 1)

Páginas

19 de fevereiro de 2011

RENÚNCIA: UMA ESCOLHA FELIZ

Evangelho (Mc 8,34-9,1): Chamou, então, a multidão, juntamente com os discípulos, e disse-lhes: «Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me! Pois quem quiser salvar sua vida a perderá; mas quem perder sua vida por causa de mim e do Evangelho, a salvará. De fato, que adianta alguém ganhar o mundo inteiro, se perde a própria vida? E que poderia alguém dar em troca da própria vida? Se alguém se envergonhar de mim e de minhas palavras diante desta geração adúltera e pecadora, também o Filho do Homem se envergonhará dele, quando vier na glória do seu Pai, com seus santos anjos». E disse-lhes: «Em verdade vos digo: alguns dos que estão aqui não provarão a morte, sem antes terem visto o Reino de Deus chegar com poder». 
Por esta passagem Jesus vem propor uma condição para segui-lo, a renúncia. A renúcia sempre exige de nós a capacidade de abandono da alguma coisa que temos. Faz parte da nossa liberdade de escolha. A proposta de segui-lo se faz na integral liberdade - "renuncie a si mesmo". A natureza humana é confituosa, por vezes. Por que não posso seguir Jesus do jeito que sou? Por que por muito os frutos de nós mesmos são frutos do nosso pecado. Odiamos alguém por pequenas coisas, atormentamos nossas vidas com bobagens e não somos sensíveis com coisas graves que acontecem ao nosso redor. Perdemos a  noção do que é grave. Perdemos inclusive a noção do sagrado. Como disse, a renúncia nos apresenta escolhas, e escolhas se fazem mediante uma comparação entre dois objetos, situações, bens, projetos ou outra coisa qualquer. 
Na passagem Jesus faz um convite à uma escolha aparentemente absurda: negar a si mesmo. O que isto significa para você, hoje? Somos egoístas, fazemos projetos de estudos, de trabalho, de casamento, enfim, de vida, de conquistas,  sem colocarmos Deus nos nossos planos. Quando muito, Deus aparece em nossa vida como um acessório de consulta, onde buscamos somente aquilo que nos interessa, o que pode nos dar um proveito imediato e atual, um ganho facilitado a curto prazo ou algo assim. Fazemos de nossa relação com o Senhor uma relação de interesse exclusivamente pessoal, de ganho utilitário, e um ganho rápido. Isso aparece bem presente em nosso cotidiano - "Ah, esperar 4 anos para fazer uma faculdade é muito tempo! Ah, mas esta figueira vai  demorar muito  a dar seus frutos, preciso plantar outra fruta que dê frutos bem rápido!"
Para mim, é difícil vislumbrar uma relação com o Senhor sem esta imediatidade. Deus é senhor do tempo e não é fácil aceitar isso. Digo isto porque a palavra fala: "Pois quem quiser salvar sua vida a perderá; mas quem perder sua vida por causa de mim e do Evangelho, a salvará"
Ora, perder a vida é "perder a vida" - morrer para projetos pessoais, para sonhos e ilusões que nos impulsionam a querermos viver segundo os "códigos de bem-estar" que surgem por aí e que podem ser tanto uma a compra de uma casa na praia como alcançar a fama como atleta ou outra coisa qualquer. Tudo vai depender de como nos relacionamos com o nosso entorno e o que escolhemos como meta a alcançar. É interessante a equação que se estabelece: tanto mais nos desprendemos de nós mesmos, das nossas ambições, por amor a Deus, tanto mais a salvação vai acontecendo em nós. A salvação é um processo que se instala em nós e que vai se construindo diariamente, afinal todos os dias sempre haverá alguma coisa para descobrirmos em nós mesmos que se apresenta para nossa uma renúncia. Nunca percamos de vista - a renúncia se apresenta para seguir Jesus. Se você não tem isto em seu coração, a renúncia se transformará em mutilação sem sentido de propósitos .
Quando você fizer esta experiência entenderá a música de Monsenhor Jonas Abib: 

Não dá mais pra voltar
O mar é Deus e o barco sou eu
E o vento forte que me leva pra frente
É o amor de Deus.

Pense nisso e fique na Paz!

Cláuber Santos


2 comentários:

Carina Nardello disse...

É verdade! Como é maravilhoso saber que as renúncias que Deus nos pede são para o nosso bem, nossa felicidade. Louvado seja Deus!

evone disse...

Que passagem linda nos leva a refletir o nosso Deus é maravilhoso mesmo,e depois que entramos no barco de Deus não dá mais realmente para voltar, pois como ficar longe desse amor de DEUS! Não tem como.
Deus abençõe.
Evone,Grupo de oração São Francisco de Paula, toda 5ª feira ás 20:00h, no salão São José. Participe!