" É feliz quem a Deus se entrega e orienta seus passos no Senhor! " (sal 1)

Páginas

14 de novembro de 2015

A PREGAÇÃO DA PALAVRA DE DEUS

Com que comparar a Palavra de Deus? É como semente de vida – caindo em terra boa germina, cresce, frutifica e dá sentido à terra. Quando é semeada parece insignificante e frágil, mas transforma-se totalmente sob os cuidados do semeador. Assim também a função dos pregadores é plantar e regar mas quem faz crescer é Deus.
A Palavra de Deus é ainda semelhante ao fundamento de uma construção¹: inabalável, seguro, posto por Deus. A obra é de Deus, e nós somos os seus pedreiros, operários comuns que agem segundo o dom dado por Deus, e receberemos o salário segundo a medida do trabalho de cada um.
São Paulo distingue três categorias de pregadores (cf. ICor 3, 9-17):
1.    Os que constróem obra sólida: Sobre o fundamento sólido constróem com ouro, prata e pedras preciosas. Estes receberão a recompensa.
2.    Os que constróem com materiais que não resistem à prova: madeira, feno e palha. No dia em que vier o fogo, sua obra será destruída. Estes operários poderão se salvar do fogo, mas perderão a recompensa.
3.    Os que, em vez de construir, destróem: Estes atraem a ira de Deus e serão castigados.
Anunciar a Palavra de Deus não é para alguns, mas para todos os cristãos! “Ai de mim se eu não anunciar o Evangelho” (ICor 9,16), dizia São Paulo. E este deve ser o ardor missionário de todos que conhecem Jesus, pois não é possível deixar oculta uma luz tão resplandescente. Ou permitimos que a luz ilumine cada vez mais ou a abafamos e a perdemos.
Jesus, diante de realidades injustas, de mentiras ou falsidades, nunca calou a verdade. Com sabedoria, amor e firmeza, pregou a Palavra de Deus. Chegou a virar a mesa dos cambistas e usar de chicote no templo de Jerusalém, pois “o zelo pela casa de Deus o consumiu” (cf. Jo 2, 17). Ora, se a Palavra é o alicerce do Templo de Deus, precisamos preservá-la de todos os destruidores.
A exemplo de Jesus e de muitos outros personagens bíblicos e santos, precisamos defender a Palavra da Verdade com autoridade e sem respeito humano. A comunidade que se retrair por medo de desagradar aos homens, será atacada e desmoronará, assim como o templo de Jerusalém no ano 70 d.C.. Jesus havia profetizado: “Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derrubada” (Mt 24, 2).
Mas a comunidade profética, Templo vivo da Nova Aliança, que semear a Palavra de Deus com ousadia, expondo a sua vida às perseguições, manifestará a vida nova que Cristo lhe concedeu e receberá a recompensa.
Cuidado com o hábito de querer agradar as pessoas! Cuidado com a auto-piedade! Se somos incapazes de dizer uma verdade “dura”, estaremos construindo com madeira e palha. Entretanto se lançarmos a boa semente, o Espírito Santo poderá fazê-la crescer. Se a regarmos com oração, capinarmos em volta com libertação, certamente o Espírito agirá.
Mas se respeitarmos o mato, ou o joio, mesmo que falemos da beleza do trigo, ele não se transformará. Não, a Palavra de Deus não é assim! Mas é viva, eficaz, cortante como uma espada de dois gumes, extirpa o mal e traz divisão: divide os que crêem dos duros de coração (cf. Mt 10, 34ss).
A Palavra de Deus gera dois povos: os filhos de Deus e os filhos de Satanás. Não foi esse o resultado da pregação de Jesus? Cumpriu-se a profecia de Simeão: “Eis que este menino está destinado a ser uma causa de queda e de soerguimento para muitos homens em Israel, e a ser um sinal que provocará contradições, a fim de serem revelados os pensamentos de muitos corações” (Lc 2, 34s); pois o interior dos homens se revelará de acordo com a posição que tomarem: pró ou contra Jesus Cristo.
Que nossa pregação não gere mornidão, porque isso Deus abomina (cf. Ap 3,16).
A pregação de Jesus atingia – e atinge – todas as idades, todos os povos e culturas, e não traumatiza nem escandaliza ninguém. Ao contrário, é a verdade que liberta (Jo 8, 32).
Não tenhamos medo de virar a mesa, se necessário, usar do chicote ou meter a enxada na terra por zelo da Palavra de Deus! No terceiro dia, brotará vida nova!
Não sejamos pregadores que falam bonito e regam as flores do mato e, no final, ouvirão Jesus dizer: “Não vos conheço”(cf. Mt 7, 22s).
A pregação ungida, o Amor e a Verdade, andam juntos e formam uma só Palavra. E é essa Palavra que nos salva! Não tenhamos medo!
Carina Nardello


1.    Conforme  ICor 3, 11 e Jo 1, 1.14

0 comentários: